APLICAÇÃO DA CIF NA MIELORRADICULOPATIA ESQUISTOSSOMÓTICA: ESTUDO DE CASOS

Jader Pereira de Farias Neto, Tiago Pinheiro Vaz de Carvalho, Allan Dantas Santos, Camilla Benigno Biana, Mayara Ellen de Jesus Agripino, Walderi Monteiro da Silva Junior, Ana Cristhina de Oliveira Brasil, Karina Conceição Gomes Machado de Araújo

Resumo


Este estudo objetivou avaliar e classificar a situação de saúde de dois indivíduos portadores de MRE por meio da CIF e de um protocolo validado de investigação. Aplicou-se um protocolo de investigação, avaliação do grau força muscular de MMII, da funcionalidade e da sensibilidade tátil, térmica e vibratória. Em seguida, foi desenvolvida e aplicada uma lista resumida da CIF proposta para indivíduos com MRE. Os resultados dos dois indivíduos estudados variaram desde alterações estruturais na medula, até dor, parestesia, força muscular, sensibilidade térmica, tátil e o ambiente foi crucial para o estabelecimento do quadro clínico. Este estudo foi importante para verificar a interação entre a lista resumida de códigos da CIF proposta para MRE e a ficha de diagnóstica da mesma, tornando a CIF uma excelente ferramenta classificatória uma vez que não é centrada na doença, mas considera o contexto do indivíduo à partir de fatores ambientais e pessoais.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica e controle da mielorradiculopatiaesquistossomótica.1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Carod-Artal FJ. Neuroschistosomiasis. Expert Rev Anti Infect Ther 2010; 8:1307–18.

Ferrari TCA. Involvement of the central nervous system in the schistosomiasis. MemInstOswaldo Cruz 2004; 99:59–62.

Araújo KCGM, SilvaCR, BarbosaCS, FerrariTCA. Clinicalepidemiological profile of children with schistosomalmyeloradiculopathy attended at the InstitutoMaterno-Infantil de Pernambuco (IMIP). MemInstOswaldo Cruz 2006;101:149–156.

Ferrari TCA, Moreira PRR. Neuroschistosomiasis: clinical symptoms and pathogenesis. Lancet Neurol 2011; 10:853–64.

Organização Mundial da Saúde, Direção Geral da Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: CIF. Lisboa: WHO; 2004.

Sapega AA. Muscle performance evaluation in orthopaedic practice.J BoneJoint SurgAm 1990; 72:1562-74.

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da medida de independência funcional. Acta Fisiátrica 2004; 11(2):72-76.

Podsiadlo D, Richardson S. The timed ‘Up and Go’ Test: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. J Am GeriatrSoc 1991; 39:142-148.

Santos MS, Panobianco MS, Mamede MV, Meirelles MC, Barros VM. Tactile sensibility in arm of women subjected to the axillary lymph node dissection for breast cancer. RevBrasGinecolObstet 2009; 31(7):361-6.

Fundação Nacional de Saúde, Centro Nacional de Epidemiologia, Coordenação Nacional de Dermatologia Sanitária.Guia de controle da hanseníase. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 1994.

Bortoletto MSS, Haddad MCL, Karino ME. Pé diabético, uma avaliação sistematizada. ArqCiênc Saúde Unipar 2009; 13(1);37-43.

Grupo de Trabalho Internacional sobre Pé Diabético. Consenso Internacional sobre Pé Diabético. Brasília: Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal; 2001.

Ferrari TCA. Abordagem diagnóstica da mielorradiculopatia causada pelo Schistosoma mansoni: imunodiagnóstico em líquor pela técnica de Elisa [tese]. Belo Horizonte (BH): Universidade Federal de Minas Gerais; 1997.

Semmes J, Weinstein S, Ghent L, Teuber HL. Somatosensory changes after penetrating brain wounds in man. Harvard University Press. Cambridge; 1960. p.60-61.

Sacco ICN, Sartor CD, Gomes AA, João SMA e Cronfli R. Avaliação das perdas sensório-motoras do pé e tornozelo decorrentes da neuropatia diabética. RevBrasFisioter 2007; 11(1);27-33.

Bossmann T, Kirchberger I, Glaessel A, Stucki G, Cieza A. Validation of the comprehensive ICF Core Set for osteoarthritis: the perspective of physical therapists. Physiotherapy 2011; 97:3–16.

Almeida Filho N. Transdisiplinaridade e saúde coletiva. CiencSaudeColet 1997; 2(½): 5-20.

World Health Organization. International Classification of Functioning, Disability and Health: ICF. Geneva: WHO; 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2359-0327

Base Indexadora

Latindex