MOVIMENTO PARA A VIDA (MPAV): PROPOSTA DE UM NOVO ÍNDICE DE FUNCIONALIDADE PARA O IDOSO.

Danilo Lopes Ferreira Lubbos

Resumo


Se levarmos em consideração a última década podemos perceber um aumento na expectativa de vida de maneira global. No Brasil essa situação é nítida, principalmente se observado o aumento da população idosa nas duas últimas décadas. A investigação da capacidade funcional tem-se tornado uma importante ferramenta para a avaliação da saúde dos idosos e diversos instrumentos têm sido propostos visando a análise da habilidade e do desempenho para realizar determinadas atividades do cotidiano. A presente proposta tem como objetivo a criação de um índice que englobe as Atividades da Vida Diária (AVDs), sejam as básicas (ABVDs), instrumentais (AIVDs) e avançadas (AAVDs) tendo como base o componente Atividades e Participação da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) da Organização Mundial da Saúde (OMS). O instrumento denominado de Índice Movimento Para A Vida (MPAV) é dividido em duas partes. A primeira parte contém dados referentes aos pacientes e a segunda é o índice propriamente dito, composto de 25 perguntas que englobam os 9 domínios do componente Atividades e Participação da CIF. Para cada resposta será dada uma pontuação baseada no grau de dificuldade onde (0) equivale a Nenhuma Dificuldade, (2) à Dificuldade Parcial e (4) Dificuldade Completa. No final, o valor 100 será subtraído dos valores correspondentes a cada resposta. O avaliado que obtiver valor final igual ou acima de 96 pontos será considerado sem deficiência; de 76 a 95 pontos com deficiência leve; de 51 a 75 pontos com deficiência moderada; de 5 a 50 pontos com deficiência grave e até 4 pontos com deficiência completa.
Palavras-chave: Saúde do Idoso; Idoso Fragilizado; Indicadores Básicos de Saúde; Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde.

Considering the last decade we can see an increase in life expectancy globally. In Brazil the situation is clear, especially if we observe the increasing in the elderly population in the last two decades. The investigation of the functional capacity has become an important tool for assessing the health of the elderly and many instruments have been proposed in order to analyze the ability and performance to realize certain daily activities. This proposal aims to create an index encompassing the Activities of Daily Living (ADL), being them basic (BADL), instrumental (IADL) and advanced (AAVDs), based on the Activities and Participation component of the International Classification Functioning, Disability and Health (ICF) of the World Health Organization (WHO). The instrument called Movement For Life Index (MFLI) is divided into two parts. The first part contains data relating to patients and the second is the index itself, consisting of 25 questions that cover the nine domais of the ICF Activities and Participation component. For each answer will be given a score based on degree of difficulty where (0) amounts to No Difficulty, (2) Partial Difficulty and (4) Full Difficulty. In the end, the value 100 will be subtracted from the values corresponding to each answer. The assessed subject that obtains final value equal to or above 96 points will be considered without deficiency; 76-95 points with mild deficiency; 51-75 points with moderate deficiency; 5 to 50 points with severe deficiency and even four points with complete deficiency.
Keywords: Health of the Elderly; Frail Elderly; Health Status Indicators; International Classification of Functioning, Disability and Health.


Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Global Health Observatory (GHO) data. Life expectancy. 2015 [acesso em 2015 julho 25]. Disponível em http://www.who.int/gho/mortality_burden_disease/life_tables/situation_trends/en/.

Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado. 2012; 27(1):165-180.

Brasil. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção Defesa dos Direitos Humanos. Dados sobre o envelhecimento no Brasil. 2013 [acesso em 2015 julho 25]. Disponível em: http://www.sdh.gov.br/assuntos/pessoa-idosa/dados-estatisticos/dados-sobre-o-envelhecimento-no-brasil.

Wong LLR, Carvalho JA. O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. R. Bras. Est. Pop. 2006; 23(1):5-26.

Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(3): 513-8.

Maciel ACC, Guerra RO. Limitação funcional e sobrevida em idosos de comunidade. Rev Assoc Med Bras. 2008; 54(4):347-52.

Farias N, Buchalla CMA. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: conceitos, usos e perspectivas. Rev Bras Epidemiol. 2005; 8(2):187-193.

Costa EC, Nakatani AYK, Bachion MM. Capacidade de idosos da comunidade para desenvolver Atividades de Vida Diária e Atividades Instrumentais de Vida Diária. Acta Paul Enferm. 2006; 19(1):43-35.

Duarte YAO, Andrade CL, Lebrão MM. O Índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Rev Esc Enferm USP. 2007; 41(2):317-25.

Reuben DB, Solomon DH. Assessment in geriatrics: Of caveats and names. Journal of the American Geriatrics Society. 1989; 37:570-572.

Katz S, Ford AB, Moskowitz RW, Jackson BA, Jaffe MW. Studies of illness in the aged. The index of ADL: a standardized measure of biological and psychosocial function. JAMA. 1963;185(12):914-919.

Mahoney FI, Barthel DW. Functional evaluation : the Barthel Index. Maryland State Medical Journal. 1965;14:61-65.

Lawton MP, Brody EM. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist. 1969; 9:179-186.

Organização Mundial da Saúde (OMS), CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde [Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, org.; coordenação da tradução Cassia Maria Buchalla]. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - EDUSP; 2003.

Costa AJL. Metodologias e indicadores para avaliação da capacidade funcional: análise preliminar do Suplemento Saúde da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD, Brasil, 2003. Ciência & Saúde Coletiva. 2006; 11(4):927-940.

Oliveira ACS, Martins GV, Franchi KMB, Ramos CR, Lima DLF. Investigação da presença de patologias e da capacidade funcional de idosas institucionalizadas. Ciência e Pesquisa Unifor. 2012; 2(1):42-53.

Manual do Índice de Funcionalidade Brasileiro (IF-Br)- Elaboração de Instrumento de Classificação do Grau de Funcionalidade de Pessoas com Deficiência para Cidadãos Brasileiros. 2012 [acesso em 2015 julho 25] Disponível em http://www.actafisiatrica.org.br/imagebank/pdf/Manual_do_IF-Br.pdf.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2359-0327

Base Indexadora

Latindex