Opinião de profissionais acerca da viabilidade do uso da CIF

Andrei Pereira Pernambuco, Raquel de Carvalho Lana, Janaine Cunha Polese

Resumo


Mesmo reconhecendo as vantagens associadas ao uso da CIF no contexto clínico, seu uso é ainda incipiente. Este estudo objetivou analisar opiniões de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais do Estado de Minas Gerais acerca da viabilidade do uso da CIF na prática clínica. A obtenção dos dados foi realizada por meio de um questionário online enviado aos profissionais. Foram analisados os comentários deixados para a pergunta: “Você acredita que o uso da CIF seja viável na prática clínica?”.  A maioria (82%) reportou que o uso da CIF é viável e 47% (n=618) deixaram comentários. Das 26 palavras mais citadas, somente três demonstraram enfoques negativos. A maioria dos comentários (59%) foi relacionado à intenção de utilização da CIF, 7% foi relacionado à sua utilização. Os resultados demonstraram que a grande maioria dos profissionais acredita que o uso da CIF seja viável na prática clínica, sendo que a maioria dos comentários estão relacionados à intenção da sua utilização. 


Texto completo:

PDF

Referências


Araujo ES. CIF: Uma Discussão sobre Linearidade no Modelo Biopsicossocial. Rev Fisioterapia & Saúde Funcional. 2013; 2(1): 6-13.

Araujo ES. Uso da CIF no SUS: a experiência no município de Barueri/SP. Revista Científica CIF Brasil. 2014; 1(1):10-7.

Araújo ES, Buchalla CM. Using the ICF in work-related physiotherapy: a contribution to data collection about functioning. Acta Fisiátrica. 2013; 20(1): 1-7.

Araujo ES, Júnior JCO. A aplicação da CIF por agentes comunitários de saúde. Revista Científica CIF Brasil. 2014; 1(1):18-26.

Cavalcante RB, Calixto P, Pinheiro MMK. Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf & Soc Est. 2014; 24(1):13-18.

De Kleijn-De Vrankrijker MW. The long way from the International Classification of Impairments, Disabilities and Handicaps (ICIDH) to the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF). Disabil Rehabil. 2003; 25(11-12): 3-17.

Fan W, Yan Z. Factors affecting response rates of the web survey: a systematic review. Computers in Human Behavior. 2010; 26(2):132–139.

Farrell J, Anderson S, Hewitt K, Livingston MH, Stewart D. A survey of occupational therapists in Canada about their knowledge and use of the ICF. Can J Occup Ther. 2007; 74:221-32.

Levack K. The International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF): applications to physiotherapy. NZ Journal of Physiotherapy. 2004; 32(1):1-2.

OMS. Towards a Common Language for Functioning, Disability and Health - ICF. Geneva: WHO/EIP/GPE/CAS/01.3 2002.

OMS. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. EDUSP. 2003. Sabino GS, Coelho CM, Sampaio RF. Utilização da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde na avaliação fisioterapêutica de indivíduos com problemas musculoesqueléticos nos membros inferiores e região lombar. Acta Fisiátrica. 2008; 15(1):24-30.

Stucki G, Ewert T, Cieza A. Value and application of the ICF in rehabilitation medicine. Disabil Rehabil. 2002; 24(17): 932-8.

Vieira HC, Castro AE, Júnior VFS. O uso de questionários via e-mail em pesquisas acadêmicas sob a ótica dos respondentes. XIII Seminários em Administração 2010.

Rauch A, Cieza A, Stucki G. How to apply the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) for rehabilitation management in clinical practice. Eur J Phys Rehabil Med. 2008;44(3):329-42.

Ruaro JA, Ruaro MB, Souza DE, Fréz AR, Guerra RO. Panorama e perfil da utilização da CIF no Brasil: uma década de história. Braz J Phys Ther 2012;16(6):454-462.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2359-0327

Base Indexadora

Latindex